sexta-feira, 27 de abril de 2012

terça-feira, 24 de abril de 2012

Fim de bimestre e outras coisas...

morguefile.com
Recentemente eu estive postando várias vezes neste blog, mas não apenas devido à loucura de fim de bimestre, eu diminuí o ritmo e dei uma trégua para meus escritos.

Nesse meio tempo eu estava preparando uma Amostra do livro Gêmeos.Virtuais (para o publicar no ISSUU), mas ao terminá-la... É, não funcionou muito bem como o esperado, digo, a formatação não ficou como eu esperava. Aí eu desisti por um tempo e vou tentar outras estratégias.

Mas tenho ótimas notícias: uma ex-aluna (uma pessoa muito querida), cuja identidade revelo no momento devido, está trabalhando num projeto da faculdade de montar uma revista com algumas matérias fictícias, entre elas uma que para mim foi uma surpresa muito boa e acho que vocês também vão gostar, apesar de ser "de faz de conta".

Quando tudo estiver pronto, eu compartilho com vocês!

terça-feira, 10 de abril de 2012

Arte de Subsistência (ou Narcisismo?)

A Flor Narciso
(morguefile.com)
Alguém criticaria um agricultor que planta apenas para o consumo de sua própria família? O que faz ele além de utilizar os elementos da natureza e a técnica que aprendeu ou desenvolveu para alimentar o corpo... Adicionando um pouco de requinte: Criticaria você um chef de cozinha por se deliciar várias e várias vezes com seu prato preferido feito por ele mesmo? E se pensássemos em um outro tipo de subsistência, um alimento para a Alma?

Hoje me peguei, como muitas vezes, escutando as músicas eletrônicas que componho (estas em particular, no Rytmik, um "jogo" do Nintendo DSi). Várias vezes me pego escutando meus Toscovoices, passei meses escutando as composições do Motsicale e até outras ainda mais antigas que eu fiz.

Gosto de ver e rever os vídeos que editei das viagens com meus amigos aqui de Campinas ou da época da faculdade, ou os aniversários e diversas outras produções caseiras com as quais me divirto absurdamente.

Também me flagro revendo meus próprios desenhos, seja no DeviantArt ou no PicasaWeb, ou nas minhas pastas perdidas nos armários.

Logicamente me pego lendo e relendo meus próprios textos, rindo sozinho das bobagens ou piadas que escrevi ou às vezes remoendo dores exorcizadas numa poesia ou em uma carta nunca entregue.

Muitas vezes pensei: "Nossa, eu sou muito narcisista".

Para quem não sabe, Narciso faz parte da mitologia Grega, é dito que ele era tão lindo, que ele mesmo se achava bonito demais, e se apaixonou por si mesmo, de modo que seu desejo de se beijar era tão grande que ao tentar abraçar seu próprio reflexo na água, acabou caindo e se afogando. Como curiosidade, cabe dizer que a palavra Narcótico (drogas ou entorpecentes) vem de Narciso, ou seja, um tipo de "Paixão que só leva à Morte".

Mas hoje me convenço de que é menos narcisismo do que subsistência.

Há quem goste de fazer as refeições fora de casa com muita frequência e há aqueles que preferem fazer sua própria comida. Há aqueles que ouvem as músicas dos outros e há aqueles que compõem sua própria música. Há também os compõem apenas para os outros... E às vezes, nem gosta do que produziu, como alguns chefs que são vegetarianos e por necessidade acabam indo trabalhar em uma churrascaria... Que remédio?

Eu diria que sou daqueles que gosta das duas coisas: de consumir a arte produzida por outrem e consumir da minha própria arte também.

E quantas coisas não produzi que são apenas para mim?
Arte de pura subsistência, que será consumida apenas por mim e nunca será comercializada.

Acho que todos nós deveríamos, vez ou outra tentar alimentar a alma com nossa própria arte, acho que, se não tender para o narcisismo, é uma boa (talvez ótima) maneira de trilhar um autoconhecimento.