segunda-feira, 26 de março de 2012

Publicações.Virtuais - Nada mais apropriado!

e-Book Reader (Leitor de Livros Eletrônicos)
morguefile.com
Bom, Gêmeos.Virtuais, Realidade Virtual, Internet, Compras Virtuais, Vida Virtual, Correio Eletrônico, Endereço Eletrônico, Sítios (Sites) Virtuais etc. Hoje em dia grande parte da nossa vida existe apenas em meio eletrônico, pense apenas em UMA coisa muito importante: sua conta bancária. Se vier um grande "blackout" (odeio o termo nacional APAGÃO, no Brasil, tudo tem que ter ÃO no final... É horrível. E o pior é que no Francês o equivalente, ON, é tão mais chique... Ok, voltando ao assunto...), então, se vier esta pane elétrica, uma que dure alguns dias, a economia mundial vai pro buraco, juntamente com outros desastres e barbáries que vão suceder a isso.

Num mundo onde tudo se torna menos material (ainda bem, quem sabe isso acaba abrindo as portas para um mundo menos ... materialista... Será?), menos real e mais virtual, num mundo onde o meio ambiente é a grande vítima (e nós mais vítimas ainda por consequência) a economia de papel é uma coisa interessante. Lógico que acessar a Internet gasta energia, para se manter os servidores, os provedores, as antenas, o tráfego informações (kbps) e os PC´s funcionando, porém, creio que é uma energia direcionada e prática: se alguém quer ler um livro, existe apenas um  (ou poucos arquivos) que será acessado; a pessoa baixa o documento (mesmo que não a pessoa salve, o navegador tem que baixar o arquivo numa pasta temporária) e lê quando quiser. Assim, o gasto de energia tanto para "subir" o arquivo, quanto para baixá-lo está vinculada a alguns acessos, cada vez mais rápido que despendem cada vez menos energia...

Agora, se você publica um livro em papel, com uma capa bonita etc. Aí a coisa muda de figura, como já expliquei num post anterior (Quer Publicar um Livro?) a publicação de um livro bem editado envolve dezenas de milhares de reais, uma tiragem de no mínimo uma centena (à milhares, para baratear) e um gasto de tinta e papel absurdo, sem contar em todo lixo gerado industrialmente desde a fabricação da tinta e do papel, até o processo de fabricação do livro em si.

Descobrindo o magnífico ISSUU eu achei uma maneira limpa e bonita de publicar (quem sabe) todas as minhas obras que ainda estão na obscuridade. Tenho pensado seriamente em ir fazendo uma editoração caseira bem feita, quem sabe adicionar até algumas ilustrações e ir montando minha estante virtual. Por que o ISSUU fornece esta página aparecendo todas as publicações daquele autor, dê uma olhada na minha (que ainda está com apenas uma solitária publicação).

Assim, meus livros poderão ser lidos por aqueles interessados, um sonho que eu tenho desde que comecei a escrever e fiz uma homepage, agora extinta, chamada ODACON137 - Selo Virtual de Produções Literárias Artesanais. Era uma "home" na qual eu publiquei o Gêmeos.Virtuais antes dele virar um livro "de verdade" e também um outro conto, chamado Godboy - O Garoto Deus. Lá eu descrevia minha ideia (que eu ainda acredito) que publicar um livro as vezes obriga o (pequeno e novo) autor a "convencer" as pessoas a lerem seu livro, fazendo seu próprio marketing. E por mais que o livro seja bom, eu sei que comprar um livro de alguém conhecido é sempre estranho, já que é como se você se sentisse na obrigação de ler, ou até (na obrigação) de gostar do que leu - ou pelo menos fingir que gostou, com medo de desagradar o amigo... O que é uma situação embaraçosa e contra producente para ambos - leitor e autor.

Enfim, hoje acredito que meu desejo está próximo de se tornar real. Tenho MUITAS coisas a publicar, contos, novelas, romances e crônicas em vários gêneros: ficção científica, fantasia, ficção fantástica, mistério policial até comédias e absurdos. Tenho também algumas poesias que tenho que caçar e reunir. Ainda medito muito sobre o que, como e quando (e até em que ordem) publicar, mas acredito que o trabalho será paulatino, mas constante, de modo que um dia, todo meu repertório estará disponível - e completamente de graça - para todos os interessados.