quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Conhecimento de Causa

Deve fazer mais ou menos uma semana que não avanço com o capítulo extra (apêndice 2) de Gêmeos.Virtuais. Além de outras obrigações, ainda teve o carnaval, no qual fui fazer trilhas e visitar cachoeiras com grandes amigos. Mas isso foi bom, pois nesse meio tempo uma amiga que consultei para saber uma informação sobre caixas-postais dos correios me respondeu e ainda me passou uma informação completamente oposta à que eu havia imaginado. Eu a contatei exatamente para pedir uma "Consultoria Literária", digo, para ver se a coisa é na realidade como eu pensava. E, nesse caso, não era. O difícil é que eu já havia escrito, acreditando que eu estava correto (Rá Rá Rá), agora é que vem o "twist" do enredo: como eu farei para contornar a situação? Escrevo tudo novamente? Dou um nó na trama e deixo no ar? Ou prossigo com o problema dou uma explicação posterior?

Esse é um dos grandes desafios da escrita... O que desejamos? Escrever criando um universo que é totalmente diferente do nosso, um universo semelhante ao nosso, mas que não está preso a regras ou um universo exatamente igual ao real, no qual cada detalhe tem que ser seguido?

Penso que, independentemente da escolha, acho que temos que prosseguir da maneira que a história fique mais interessante, que tenha alguma mensagem a passar que seja ao mesmo tempo entretenimento e cultura. Só entretenimento pode ser vazio, mas só cultura pode ser muito chato. Tem que se procurar o equilíbrio.

Tenho certeza que em todos esses meus anos de escrita eu cometi vários "erros" como este que citei no início, mas acho que faz parte da evolução do escritor tentar cada vez mais buscar um conhecimento de causa do que se vai descrever para, pelo menos, saber "onde está pisando".